Cirugia Estética

Cirugia Estética

Cirurgia Plástica - Artigos Cirurgia Plástica - Artigos


Artigos

Voltar para Medicinas Estéticas

Mamoplastia e amamentação, qual a relação?

     Muitas pacientes, durante a gravidez, já se preocupam em minimizar e até em reparar os danos que a gestação e amamentação possam produzir nas mamas. Para responder a estas muitas indagações, resolvi escrever este artigo.

     Creio que como em toda área estética, a primeira preocupação deve ser sempre a de minimizar os danos, para depois pensar em repará-los. Quanto menor for o dano, melhor será o reparo!

     A pele das mamas sofre durante a amamentação um estiramento devido ao aumento do volume mamário. Depois do parto, no período da amamentação, sofrerá ainda maior estiramento, produzido por um crescimento complementar pela produção do leite, acrescido da sucção do filho. Isso tudo acontece em um período muito curto, nos últimos meses da gestação e primeiros meses do pós-parto.

     Sendo a pele um tecido elástico, ela distenderá acompanhando o aumento do volume das mamas, por maior que seja. Porém, algumas fibras elásticas, que dão a elasticidade à pele, sofrem ruptura ao serem excessivamente esticadas, dando origem às temidas estrias. E então, como fazer para minimizar o risco de estrias?

     Bem, precisamos lembrar que a mama é formada por tecido de glândula e gordura. A glândula aumentará de volume dependendo do biótipo da paciente e da quantidade de leite produzida. Sobre isso não temos como agir. Porém, a mama também ganhará volume de gordura, caso a paciente engorde muito na gestação.

     Como visto em artigo que escrevi anteriormente, o peso ideal a ser ganho em uma gestação normal é de até 10 kg (distribuídos entre o feto, placenta, liquido amniótico, etc.). Acima disso, o peso é gordura, totalmente desnecessário e prejudicial em termos de estética. Sendo a mama um tecido gorduroso, ela aumentará proporcionalmente ao excesso de peso, estirando a pele desnecessariamente, originando estrias evitáveis. Hidratar bem a pele durante a gestação e a amamentação, assim como manter-se no peso gestacional ideal, são meios eficazes de minimizar as estrias da gravidez. Ao hidratar a pele, as fibras elásticas ganham elasticidade, rompem-se menos, geram menos estrias.

     E depois do parto, qual a hora de operar? A mamoplastia pode ser feita no período da amamentação? Essa dúvida é muito comum, quando durante a amamentação a mama reduz de tamanho, e as pacientes que já tinham pouca mama sentem que ficaram "sem nada". Este caso é comum em pacientes magras e com pouca mama. Nos pacientes com tecido mamário moderado a grande antes da gravidez, é comum um grande aumento com a amamentação.

Para responder, vamos ponderar alguns fatos:

     A mama no período da amamentação está produzindo leite. Se tiver leite armazenado, ela está acima do volume sem lactação (seco), mesmo que tenha reduzido de tamanho com a amamentação (esta redução se deve à atrofia da glândula). Logo, assim que parar de amamentar, a mama cessará em alguns meses de produzir o leite e reduzirá ainda mais de volume. Isso também vale para as mamas grandes. Portanto, para se ter uma estimativa correta do volume da prótese a ser usada (mamoplastia de aumento), ou do volume a ser retirado (mamoplastia redutora), a mama deve estar com o tamanho seco, sem produzir leite. Outro fator importante, é que o leite não é estéril, e operar na lactação aumenta o risco de infecção, desnecessariamente.

     Sendo assim, concluímos que o melhor a fazer é hidratar bem a pele durante a gestação e amamentação, engordar o mínimo necessário para uma gestação saudável e esperar terminar o período de amamentação, para depois de alguns meses, com a mama desinchada e sem leite, fazer a correção com a mamoplastia. Assim, teremos o melhor resultado, com a maior segurança. Vale lembrar, que no caso outra gestação após cirurgia, a mama distenderá novamente e poderá recorrer uma certa flacidez, devido à nova distensão.


Mais informações sobre a Mamoplastia

Dr. André Gonçalves de Freitas Colaneri
Cirurgião Plástico Especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica





















































Cirurgias - Prótese de Mama


Indicação:
A mamoplastia de aumento, conhecida também como cirurgia da prótese de mama, é indicada para os pacientes com mamas pequenas ou que após amamentação tiveram grande redução do volume mamário, sem que houvesse ptose da mama (queda da mama).

Durante algum tempo especulou-se que a prótese de silicone poderia trazer prejuízo à saúde da mulher (câncer de mama, doenças reumáticas, etc.). Após extensos estudos realizados pelos Estados Unidos, ficou comprovada a inexistência destes malefícios.

É recomendável a troca periódica das proteses para se evitar o desgaste das mesmas. Devido à crescente qualidade das proteses, estima-se que a troca deverá ser realizada em torno de 20 anos.

Tipo de anestesia:
Local com sedação, peridural ou geral.

Técnica Cirúrgica:
A prótese de mama pode ser colocada através de 3 incisões diferentes (periareolar = envolta da aréola, submamária = no sulco da mama ou axilar = através da axila). A localização da prótese também pode ser em dois espaços diferentes: embaixo da glândula ou abaixo do músculo.

Cada método tem suas vantagens e desvantagens, devendo ser a escolha feita em conjunto pelo médico e paciente, após discussão sobre os prós e contras de cada técnica.

1. Anestesia local com sedação ou geral.
2. A incisão é feita no local pré determinado (periareolar, submamária ou axilar).
3. Descola-se o plano em que a prótese será colocada, formando um espaço vazio (sob a glândula ou sob o músculo).
4. Insere-se a prótese na mama.
5. Sutura-se a gordura e a pele.

Ilustração da Prótese de Mama

OBS: Geralmente deixa-se um dreno para que as secreções formadas nos primeiros dias não fiquem coletadas junto à prótese.

Tipos de próteses de mama:
Há vários tipos e modelos de próteses de mama, cada uma com uma indicação dependendo do tipo de mama da paciente e do plano a ser colocado (subglandular ou submuscular).

As próteses de mama podem variar de perfil, de conteúdo e de envoltório. O perfil (forma) pode ser redondo (baixo,moderado, alto) ou anatômico ("gota"), conforme a projeção da prótese. O conteúdo pode ser de silicone ou de soro fisiológico (prótese salina). O envoltório da prótese também pode variar, sendo texturizado ou liso.

A escolha da prótese de mama ideal será feita na consulta médica, quando o cirurgião examinará a paciente e escolherá a melhor prótese para produzir um melhor resultado para o aumento das mamas, que em cada paciente é diferente.

Geralmente no Brasil se escolhe a prótese de silicone, texturizada, redonda ou anatômica.

Tempo de internação:
De 12 a 24 horas.

Pós-operatório:
O pós-operatório da mamoplastia de aumento costuma ser tranqüilo, pouco doloroso. Deve-se evitar esforços com os braços por 1 mês. O dreno é retirado geralmente no 1o ou 2o dia pós-operatório.

Complicações:
Apesar de raras, podem ocorrer: hematoma, infecção, extrusão da prótese, contratura da cápsula que é formada ao redor da prótese.

Resultado definitivo:
O resultado quanto à forma já é bastante evidente no pós operatório.. Durante o primeiro mês há a redução do edema (inchaço) e a cicatrização ganha força. Como toda Cirurgia Plástica, o resultado definitivo da mamoplastia de aumento se dá após os 6 meses, devido ao amadurecimento da cicatriz.

Recomendações - Prótese de Mama



Perguntas Frequentes - Prótese de Mama


1) A Mamoplastia de Aumento deixa cicatrizes?
Toda cirurgia deixa cicatrizes. Felizmente, esta cirurgia nos permite colocar as cicatrizes em locais disfarçados. A cicatriz costuma ser pequena e de boa qualidade, o que somado à uma localização oculta a torna bastante discreta. O tamanho da cicatriz será o menor possível para colocar a prótese de mama, geralmente 4cm.

2) Onde se localizam as cicatrizes?
Alguns cirurgiões as situam no sulco formado entre a mama e o tórax. Outros, na área da aréola, e até mesmo na axila. O tamanho das cicatrizes é o mesmo, independente do local, pois é o menor tamanho que possibilite a colocação da prótese de mama escolhida (geralmente 4 cm para próteses em torno de 260 ml).

3) Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis.
Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao quelóide. Essa tendência, entretanto, poderá ser prevista, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe fazemos uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito nos ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, pessoas de pele clara tendem menos a esta complicação cicatricial; pessoas de pele morena ou orientais têm maior predisposição ao quelóide ou à cicatriz hipertrófica. Isto entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já o dissemos, nos facilitará o prognóstico cicatricial. Essa tendência genética influenciará na cicatriz independentemente da localização na mama ou axila.

4) Existe correção para as cicatrizes hipertróficas nas mamas?
Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com as características do período inicial da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida conosco e nunca com terceiros que, como você, "também estão apreensivos quanto ao resultado final".

5) Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência depois de colocadas as proteses?
As mamas podem ter seu volume aumentado através da cirurgia de prótese de mama. Além disso, almejamos melhorar sua consistência e forma com a intervenção cirúrgica. Assim é que, neste caso, pode-se escolher o novo volume, pois dispomos de vários tamanhos de peças de silicone a serem introduzidas. Existe uma harmonia entre o volume ideal das mamas e o tamanho do tórax, característica esta que deve ser preservada no planejamento da cirurgia.

A prótese de mama tem uma consistência maior do que o tecido normal da mama, logo para pacientes com pouca glândula é comum um certo grau de aumento da consistência das mamas após a colocação das próteses.

6) Posso escolher a forma da Prótese que quiser?
Cada paciente difere entre si em relação ao volume, consistência e forma das mamas. Logo, não é porque uma amiga ou modelo colocou certo tipo e volume de prótese de mama que você colocará igual. Uma prótese de mama de 260 ml pode ser ideal para uma paciente de 1,65m, mas poderá ser grande para outra de 1,50m de biótipo magro. Logo, cada paciente tem uma prótese de mama ideal, que será escolhida em consulta após o exame minuncioso das mamas e do biótipo da paciente.

7) Existe risco da Prótese de Mama estourar?
As próteses de mama são de material bastante resistente e distensível. Um trauma teria que ser muito forte para estoura-las. No caso de uma rotura por trauma, provavelmante a prótese ajudaria a evitar maiores danos ao pulmão e costelas, por atuar como um absorvente do impacto. Neste caso, a prótese poderia ser trocada pela mesma cicatriz da mamoplastia de aumento.

8) Quando atingirei o resultado definitivo da Mamoplastia de Aumento?
Apesar do resultado imediato ser muito bom (70%), somente no período tardio é que as mamas atingirão sua forma definitiva ( após 6 meses). A maior parte do edema (inchaço) sai depois de 2 meses da colocação das próteses, sendo este o período de maiores mudanças na forma das mamas.

9) No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado?
Durante a gravidez a mama aumenta, reduzindo após a lactação. Isto leva à distensão da pele, que poderá não retornar ao normal após a lactação. Caso isso aconteça poderá ocorrer uma ptose (queda) da mama. A prótese em si não sofre alterações com a gravidez ou amamentação.

10) A prótese de mama interfere na amamentação?
Não. Tanto a prótese colocada submuscular, quanto a submamária ficam situadas abaixo da glândula, não interferindo de nenhuma forma no crescimento mamário durante a gravidez e na amamentação.

11) O pós-operatório desta cirúrgica é doloroso?
Geralmente não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços, nos primeiros dias. Eventualmente poderá ocorrer manifestação dolorosa, que facilmente cederá com os analgésicos receitados. A prótese de mama colocada abaixo do músculo é mais dolorosa do que colocada acima.

12) 12. Há alterações de sensibilidade das mamas, após a Mamoplastia de Aumento?
É comum alguma alteração da sensibilidade após a introdução das próteses de mama. Geralmente há um retorno progressivo da sensibilidade das mamas até a normalidade, o que poderá demorar alguns meses.

13) Há perigo na Mamoplastia de Aumento?
Raramente a cirurgia plástica de mamoplastia de aumento sofre complicações sérias. Isto se deve ao fato de se preparar devidamente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou atravessar uma via pública.

14) Qual o tipo da anestesia utilizada?
Anestesia local com sedação, peridual ou geral. Depende do caso.

15) Quanto tempo dura o ato cirúrgico?
A mamoplastia de aumento dura em média de 90 minutos até 120 minutos, se necessário for.

16) Qual o período de internação?
24 horas (anestesia geral )
12 horas (anestesia local com sedação)

17) Quando são retirados os pontos?
Geralmente são utilizados pontos que são retirados até o décimo dia pós-operatório.

18) São usados drenos na Mamoplastia de Aumento?
Drenos de aspiração podem ser usados para evitar o acúmulo de secreção ao redor da prótese da mama. Geralmente são retirados entre 24 e 48 horas depois da cirurgia.

19) A mamoplastia de aumento corrige a flacidez da mama?
A prótese de mama serve para aumentar o volume da mama, preenche-la. No caso de um pequeno excesso de pele, será corrigido. Porém, em caso de grande flacidez (ptose-queda), será necessário retirar pele, podendo ou não ser colocada a prótese no intuito de aumentar o volume da mama.

20) O que vem a ser retração da cápsula da protese de mama?
É uma retração exagerada da cápsula fibrosa do organismo (que se forma em torno da prótese), que determina certo grau de endurecimento à região, quando palpada. Certo percentual de casos poderá estar sujeito à tal retração; entretanto, se isto ocorrer em grau acentuado, as próteses de mama poderão e deverão ser retiradas, através das mesmas cicatrizes, em ato cirúrgico simples, sob anestesia local. Cirurgião e paciente, poderão ponderar sobre a conveniência ou não da reintrodução de próteses menores ou outra conduta que melhor se adapte ao caso, no mesmo ato ou em tempo posterior. A retração da cápsula nunca reflete imperícia do cirurgião, mas sim, um comportamento anômalo do organismo das pacientes que a apresentam. Sua ocorrência gira em torno de 5% dos casos. Os leigos costumam chamar de "rejeição" a contratura da cápsula, porém a mamoplastia de aumento não produz a verdadeira rejeição, por ser o silicone inerte e não levar à produção de anticorpos.

21) A protese de mama deverá ser trocada, quando?
A prótese sofre um desgaste como tempo e deverá ser trocada. Devido ao grande desenvolvimento tecnológico dos materiais utilizados nas próteses mamárias, acredita-se que as próteses de hoje deverão ser trocadas depois de 20 anos.

22) É possivel associar outra plástica à protese de mama?
Sim. É muito comum a associação outras de cirurgias plásticas com a mamoplastia de aumento, como, por exemplo, a rinoplastia, lipoaspiração, abdominoplastia. A possibilidade de associar mais de duas cirurgias será avaliada pelo cirurgião, tendo em vista a extensão da cirurgia.

Recomendações - Prótese de Mama